receba nossas postagens no seu e-mail!

Manual do Advogado

Embora a crise da economia no Brasil, somada à baixa oferta de vagas, esteja aumentando a taxa de desemprego que, segundo o IBGE – Índice Brasileiro de Geografia e Estatística registrou 6,9% em dezembro de 2015, a inserção de jovens no mercado de trabalho vem mostrando um cenário diferente.No ano de 2015, houve um aumento de 21% no número de admissões de Jovens Aprendizes, comparado a 2014.

Será que o jovem está por dentro das Reformas Trabalhistas que aconteceram recentemente no Brasil?

Em 2017, foi aprovado o texto da reforma trabalhista que muda a lei trabalhista brasileira. Essas mudanças afetam a jornada de trabalho de praticamente todos os trabalhadores brasileiros, incluindo os jovens, por isso é importante saber o que mudou!Dentre as alterações, estão novas definições sobre jornada de trabalho, intervalo, férias, demissão e outras questões, como a obrigatoriedade de os estabelecimentos contratarem aprendizes.Você pode ler mais sobre as mudanças lendo esse, esse ou esse artigo, ou então através desse livro, que é bem didático!

Mas por que tantas mudanças?

AConsolidação das Leis do Trabalho (CLT), criada no governo de Getúlio Vargas em 1943 precisava ser modernizada. Segundo especialistas consultados pelo Governo Federal, a antiga lei engessava o mercado, fazendo com que a criação de empregos fosse lenta, o que contribuía ainda mais para o desemprego ocasionado pela crise econômica.

E por que isso é importante para o jovem?

Porque, querendo ou não, a nova lei traz uma certa segurança a quem está ingressando no mercado de trabalho, facilitando a conquista do tão sonhado primeiro emprego. Além disso, cada vez mais estão surgindo cursos universitários inovadores, e muitas vezes inda nem existe mercado de trabalho para os formandos desses cursos!Com a nova lei, o Governo espera que a criação de empregos aumente, além de facilitar a contratação de funcionários através de sistemas modernos, diminuindo o desemprego.

Também tem outro fator, que é a possibilidade do teletrabalho (mais conhecido como home office), além das novas jornadas, mais flexíveis e ideais para os jovens, que muitas vezes podem usar essa elasticidade para estudar, trabalhar em horário em que se sentem mais dispostos e criativos, ou podem até mesmo se deslocar em períodos alternativos, com menos trânsito.

No final, as mudanças são boas ou ruins?

É importante ressaltar que, apesar de parecerem drásticas, as alterações vieram para melhorar e modernizar o mercado de trabalho, criando um cenário mais favorável para quem já está nele e para quem pretende ingressar em breve. Escrevendo como jovem e analisando essas mudanças, concluo que elas serão positivas sim!

Pense: é muito melhor entrar no mercado de trabalho com a mudança no início do que já estar nele, a pegá-la na metade da sua vida profissional e ser obrigado a alterar toda uma rotina.

Crédito de imagem: Freepik

Leia também

Deixe seu comentário